O ano de 2016 tem sido particularmente conturbado para o Brasil, tanto pelas questões políticas, quanto pelas questões sociais. Estamos perto das Olimpíadas e não podemos perder o foco da nossa luta, de fazer gols pela prevenção à exploração sexual de crianças e adolescentes.

Nos dois artigos anteriores falamos PREVENÇÃO da violência sexual e o papel da Igreja, e a promoção de reflexão e DIÁLOGO sobre a EXPLORAÇÂO SEXUAL.

 # Leia aqui a Parte I  / Leia aqui a Parte II

Ficamos muito felizes pelos compartilhamentos, palavras de apoio a Campanha e adesão de tantas pessoas a causa. No entanto reforçamos que não há enfrentamento à exploração sexual sem a prevenção da violência sexual. Para se compreender os paradigmas da exploração sexual, precisamos compreender as profundidades da violência sexual, que muitas vezes está dentro de nossas igrejas. Queremos desafia-lo a refletir sobre essa questão.

 

# Para vencer esse tão grande desafio, a ORAÇÃO é uma das chaves primordiais. Por isso você pode incluir no boletim da sua igreja, na classe de escola dominical, reuniões de mulheres ou homens, eventos para crianças, entre tantos outros locais, pedidos de oração específicos e informações a respeito das violações dos direitos das crianças e adolescentes.

 

Uma das ações da Campanha Bola na Rede é participar do Mutirão Mundial de Oração por crianças socialmente vulneráveis, que acontece todo ano pelo mundo, e que no Brasil é coordenado pela Rede Mãos Dadas. Clique no cartaz para mais informações, guias de oração, idéias, entre outros.

“As crianças do mundo precisam de nossas orações. Crianças socialmente vulneráveis é uma causa universal. Seja rico ou pobre, ditatorial ou democrático, grande ou pequeno, em todas os países do mundo crianças sofrem como resultado das ações irresponsáveis dos adultos numa sociedade que insiste em se afastar de Deus”

 

# “ORE DE OLHO ABERTO

Interceda pelas crianças e adolescentes, e esteja atento às violações dos direitos das crianças e adolescentes. Uma delas é trabalho infantil, uma das portas de entrada para a exploração sexual de crianças e adolescentes.

Conheça os canais de denúncia (disque 100, conselho tutelar); além dos materiais relacionados (veja aqui Experiências de Combate à Exploração Sexual Comercial no Brasil

Mude suas atitudes, quebre mitos, se informe, incentive políticos a olhar para os direitos das crianças e adolescentes.

Incentive, as leis que protegem (O Estatuto da Criança e Do Adolescentes, a Lei do Menor Aprendiz, que permite adolescentes trabalharem de forma segura, digna e que não prejudique seus estudos), campanhas, empresas e ações do governo.

Mobilize! Promova grupos de oração em sua igreja; torne a sua igreja como lugar seguro para abrigar crianças e adolescentes que precisam acompanhar seus pais para trabalhar nos eventos, ou impedir que crianças fiquem nas ruas brincando durante feriados por conta de eventos. Contribua com projetos dos conselhos tutelares da sua cidade; muitas vezes eles anseiam por um grupo que ofereça espaço e pessoas para ajudar nos espaços de acolhimento.

Veja a série Começo de Conversa: Entendendo a Violência sexual contra crianças e adolescentes [Clique aqui para ver todos os vídeos]