Não é apenas em eventos esportivos que o Brasil recebe grande número de turistas em diversas cidades. O Carnaval se aproxima e somente no Rio de Janeiro a média esperada é de 400 mil turistas. “Carnaval, época que remete a festas, folia e diversão. O que muitos esquecem, neste período, é que, como em todo grande evento que envolve aglomeração de pessoas, as crianças e adolescentes estão expostos a um risco mais alto, exigindo atenção redobrada dos pais e responsáveis. Se isso é verdade para as crianças acompanhadas por foliões, que participarão de matinês, desfiles e bloquinhos, ainda maior é a fragilidade daqueles em situação de vulnerabilidade social […]”, destaca Carolina Pezzoni.

A Secretaria de Direitos Humanos lançou a ” Campanha Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual de Crianças e Adolescentes no Carnaval”, com o objetivo de prevenir e denunciar casos de violações de direitos de crianças e adolescentes.

Talvez você que está lendo não ‘pule carnaval’, mas você pode fazer parte do bloco da defesa. Divulgue, procure apoiar organizações sociais ou públicas que estão trabalhando nas ruas no ‘bloco da defesa’. Promova um espaço de acolhimento da igreja ou ONG, nos quais as crianças possam ficar protegidas enquanto seus pais trabalham.

Em grandes movimentações festivas centenas de crianças estão expostas ao consumo de bebida alcoólica, abandono, trabalho infantil, aliciadores e outras formas de violação. Por isso é importante se informar para conscientizar a todos dos direitos das crianças e adolescentes. A Vara da Infância de DF já editou normas de seguranças em festas carnavalescas, conscientizando as famílias.

Carnaval 2015: Bloco Gigantes da Lira A prefeitura de Manaus lançou a campanha “Nosso Bloco Defende os Direitos de Crianças e Adolescentes – Viva o Carnaval da Paz e da Solidariedade”. “Nós viemos no ritmo da alegria para sensibilizar a população que os direitos de crianças e adolescentes precisam ser respeitados. Infelizmente, vemos que muitos pais estão mais preocupados com a diversão do que com as crianças e por isso a nossa ação se torna mais importante”, afirmou a secretária da Semmasdh em exercício, Mônica Santaella.

Para o vendedor João Rodrigues, que montou uma barraca de bebidas, o trabalho mostra a preocupação da prefeitura com a criança e adolescente. “Eu trabalho em bandas de Carnaval há mais de 15 anos e muitas vezes os próprios pais mandam os filhos vir comprar a cerveja. Agora, com o cartaz aí, eu mostro que não posso vender. Acaba facilitando o meu trabalho”, declarou o vendedor.

Os pais também aprovaram a iniciativa, principalmente pela divulgação dos números de disque denúncia. “Eu não tinha conhecimento do número de telefone para denunciar e nem sabia quem era o conselheiro tutelar da minha área. Agora fiquei sabendo e caso eu presencie algum caso, já sei quem acionar”, afirmou a dona de casa Magali Trindade, moradora do bairro Educandos.

E entre no bloco da defesa nessa Carnaval!