Refugiados sírios assistem a uma aula em Vale da Bekaa, no Líbano. Foto: ACNUR/S.BaldwinRefugiados sírios assistem a uma aula em Vale da Bekaa, no Líbano. Foto: ACNUR/S.Baldwin

O Alto Comissário da ONU para Refugiados, António Guterres, disse nesta segunda-feira (25) que a escalada de violência sexual e de gênero é “profundamente perturbadora”, apesar dos esforços da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e seus parceiros para combater esse abuso “hediondo” dos direitos humanos.

Os “16 Dias de Ativismo contra a Violência Sexual e de Gênero” começam nesta segunda-feira (25) e fazem parte de uma campanha internacional que reúne em um só pedido todos que lutam pelo fim da violência sexual e de gênero em todas as suas formas.

A campanha teve origem no primeiro Instituto de Liderança Global das Mulheres, em 1991. Este ano, o tema escolhido é “Segurança na Escola”.

Estima-se que 60 milhões de meninas em todo o mundo são vítimas de violência sexual em seu caminho para a escola todos os anos, por isso, o ACNUR pretende reunir meninos e meninas, professores, pais, comunidades e parceiros para encontrar soluções duradouras e baseadas na comunidade para prevenir a violência sexual e de gênero na escola.

“Sabemos que, ao adotar uma abordagem de gênero para serviços multissetoriais – por exemplo, através da construção de banheiros separados nas escolas ou da promoção da contratação de professoras, entre outras medidas –, podemos aumentar a segurança de meninas e meninos na escola”, disse Guterres