Na noite do último dia 13 de setembro mais de duzentos participantes do 8º Encontro Nacional da RENAS (Rede Evangélica Nacional Ação Social) chamaram atenção de quem passava pela orla da Avenida Beira-Mar em Fortaleza (CE). Eles realizaram um ato público contra a exploração sexual de crianças e adolescentes.

Com cartazes, panfletos e apresentações mu icais, os participantes “levantaram suas vozes” contra o sério problema que viola os direitos e a dignidade das crianças. Mensagens como “Posso orar por você?” também proporcionaram oportunidades de apoio espiritual a quem passava pelo local.Jocum_BNR_Fortaleza

A ação chamou a atenção de turistas, cidadãos, motoristas e comerciantes. Com o apoio da JOCUM (Jovens com uma Missão), um grupo de dança fez apresentações artísticas que despertaram a atenção e a simpatia dos transeuntes.

Cartazes com frases como “diga não à exploração sexual”, “disque 100”, entre outros, alertaram a população para a causa. Carros também foram abordados e receberam panfletos da Campanha “Bola na Rede”.

O ato público mostrou que a temática do abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes ainda choca a toda população. Olhares desconfiados ou sorrisos como forma de apoio foram algumas reações das pessoas que presenciaram a movimentação.

BNR_Cartilha_EliandroA Campanha Bola na Rede tem sido uma resposta para a necessidade de enfrentamento da exploração sexual no turismo. Além das articulações nas doze cidades-sede da Copa do Mundo 2014, foi lançada durante o Encontro a cartilha “Uma ação educativa contra a exploração sexual e abuso sexual de crianças e adolescentes”. O material tem como meta promover uma ação educativa que sensibilize pessoas para a gravidade da exploração sexual e promova um ambiente mais seguro para as crianças. É uma forma de multiplicar o conteúdo em igrejas, organizações e sociedade.

Durante o Encontro RENAS também foi lançado um novo vídeo da campanha “Bola na Rede”, que expõe a gravidade do problema e sua relação com os eventos esportivos, e, inclusive, traz o depoimento de uma vítima. O vídeo também mostra a força da “corrente do bem”, com inúmeras pessoas e organizações dispostas a combater a exploração sexual.

 

Saiba mais: https://www.facebook.com/BolaNaRedeRenas

https://www.facebook.com/renasbrasil

www.renas.org.br

 

DEPOIMENTOS:

Vivenciamos uma história na noite do ato público lá em Fortaleza no Encontro de RENAS. Enquanto eu (Charles) levantava o cartaz e a voz em direção aos motoristas que passavam, a Vivian fazia a “vacinação” com os pedestres do calçadão. Um jovem de aproximadamente 24 anos observava toda a movimentação. Quando ele foi abordado pela Vivian, começou a chorar. O jovem compartilhou que havia sido abusado aos 8 anos de idade. Vivian me chamou para orar por esse jovem, que já é pai. Oramos juntos.
Eu (Vivian) pude ver na minha frente uma criança com medo, com uma relação familiar destruída e ainda carregando a dor da sua infância. Meu desejo foi de abraçá-lo, mas me contive e chamei o Charles para orar com ele. Pegamos seu telefone e ele se foi. Após um tempo, voltou e disse ao Charles que queria fazer parte do trabalho de enfrentamento ao abuso sexual infantil. Soube que na abordagem mais dois casos apareceram, mas não sei dizer como foram, o que posso dizer é da sensação de limitação e de que ainda fazemos muito pouco.

Charles Mathias Renner e Vivian Tebecherani Fernandes, articuladores do Bola na Rede no Paraná.

*****************************

Participei do ato público contra a exploração sexual de crianças e adolescentes em Fortaleza. Fui surpreendida exatamente no início do ato por uma senhora de idade que agarrou meu braço e cochichou: “Parabéns pelo trabalho de vocês! Não parem, continuem!”

Em meio o agito da rua e aos sons da manifestação, ouvi seu depoimento: “por dificuldade da minha família precisei trabalhar em casa alheia e sofri muito com o abuso do dono da casa. Fiquei tão desesperada que disse que queria ser freira, só para fugir daquele inferno! Passei mais de 20 anos no convento para conseguir minha vida de volta, ter condições de fazer minhas próprias escolhas. Naquele tempo ninguém falava sobre abuso, nem tinha para quem contar. Mas ainda hoje há muitas crianças e adolescentes que sofrem sozinhos, precisando de libertação e esclarecimento! Digam para a população tomar posição, denunciar! Criança não é brinquedo, não! Continuem com fé o trabalho de vocês! Deus abençoe!”

Sandra Penno é articuladora do Bola na Rede no Rio Grande do Sul