Dos 199 casos registrados em 2012, 119 eram de pornografia infantil

A Central Nacional de Denúncias de Crimes Cibernéticos (CND), da ONG SaferNet, recebeu em 2012 um total de 199 casos relatados de conteúdos ilícitos na Deep Web, o lado “invisível” da Internet. Desse total, 119 denúncias anônimas envolviam pedofilia.

O presidente da SaferNet, Thiago Tavares, defende uma mobilização mundial, inclusive das autoridades brasileiras, para reprimir os crimes cometidos nesse lado obscuro da rede mundial de computadores, sobretudo na sua camada mais profunda, conhecida como Dark Net. “Nossa expectativa é de que ocorra uma grande atuação do Brasil e de outros países”, diz. A CND recebe uma média diária de 2,5 mil denúncias.

A SaferNet nasceu em 2005 e tornou-se parceira da Polícia Federal, repassando denúncias de crimes e violações contra os Direitos Humanos, como aliciamento, produção e difusão em larga escala de imagens de abuso sexual de crianças e adolescentes, racismo, neonazismo, intolerância religiosa, homofobia, apologia e incitação a crimes contra a vida e maus-tratos contra animais. 

Em seu site, a organização criou em julho de 2012 o Helpline Brasil, primeiro canal on-line de ajuda e orientação psicológica sobre os riscos na Web. Houve 824 atendimentos, sendo 36% para crianças e adolescentes. A maioria buscou orientação sobre ciberbullying. No entanto, cerca de 80% dos relatos sobre encontros virtuais foram de meninas diante da suspeita de aliciamento sexual infantil. No Helpline Brasil, uma equipe de psicólogos ensina formas seguras de uso da Internet e orienta crianças, adolescentes e os responsáveis a enfrentar situações de violência on-line. No final de 2012, na CPI da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, Thiago Tavares revelou que apenas 0,65% das crianças e adolescentes vítimas de pornografia na Internet haviam sido identificadas.

Via Correio do Povo